Histórias que ajudam: a mentira

http://www.paisefilhos.pt/index.php/opiniao/eunice-guerreiro/5679-historias-que-ajudam-a-mentira

Histórias que ajudam: A mentira

alt

Na sala de aula, todos os meninos se ajeitavam nas cadeiras e pegavam no lápis. A borracha, essa, fi cava ali bem perto, pois certamente seria muito útil. A professora iria distribuir-lhes uma ficha de avaliação de língua portuguesa. Maria apertava o lápis com a mão transpirada, olhava em redor e sentia uma ansiedade crescente à medida que a professora se aproximava da sua mesa, distribuindo as folhas de papel para serem preenchidas. Na sua cabecita, voavam pensamentos desordenados. Devia ter estudado… E agora? Não me lembro de nada. Vou ter má nota e todos se vão zangar comigo… As lágrimas espreitavam pelos olhos de Maria, como se se debruçassem de uma janela, curiosas por conhecerem a paisagem que dali se via.

– Boa sorte, meninos – desejou a professora, sempre sorridente e esperançosa no desempenho dos seus alunos – Têm 45 minutos para fazerem esta ficha. Todos os livros e cadernos dentro das mochilas. Em cima da mesa apenas a folha, o lápis e a borracha.
Graus dos adjetivos. Ai… Comparativo, superlativo! Antónimos e sinónimos. Formas verbais… pensava a menina, enquanto olhava a folha, em pânico. O nervosismo não lhe permitia sequer pensar e fazer o teste. Ocorreram-lhe algumas possíveis soluções para sair daquele problema: 1) falar com a professora e explicar-lhe que não tinha estudado, suplicando que a deixasse fazer a prova noutro dia; 2) fingir que se estava a sentir mal, para que a deixassem ir para casa e fazer o teste noutro dia; 3) copiar do teste do Afonso, que se sentava ali ao lado e que era o melhor aluno da turma. Esta terceira hipótese pareceu-lhe a melhor, pois não gostaria de confessar não ter estudado e também sabia não ter lá muito jeito para teatro. Para além disso, o Afonso era amigo de todos e quase sempre deixava que copiassem dele os trabalhos-de-casa. Certamente não iria agora negar-lhe essa ajuda.

Foi então que Maria começou a chegar a sua cadeira um bocadinho mais para o lado. Sempre que a professora ficava de costas para ela, chegava-se um bocadinho mais. E mais um pouco… Depois, esticava a cabeça como uma tartaruga que espreita pela carapaça. De olhos esbugalhados, tentava decifrar a letra pequenina de Afonso que, percebendo que a colega precisava de copiar, também chegara a cadeira para perto dela. Esticou-se e conseguiu ler que o antónimo de ‘comprar’ era ‘vender’ e que o antónimo de ‘verdade’ era ‘mentira’. Quando tentava ler o grau do adjetivo ‘lindíssima’, sentiu que alguém lhe tocava no ombro. Virando-se viu a professora ao seu lado. Maria estremeceu e, ao olhar os olhos da professora, conseguiu ler todas as palavras que formavam o seu pensamento. E nem foi preciso esticar-se como uma tartaruga. Leu desapontamento, desilusão, deceção. Teria sido menos doloroso se tivesse lido zanga ou irritação.

– Maria, entrega-me a tua ficha. No intervalo ficas aqui na sala para conversarmos – afirmou a professora, com voz firme, mas triste.
Com maior ou menor sucesso, as restantes crianças terminaram as suas provas e foram para o intervalo. De lá de fora chegavam gargalhadas, risos, raios de sol, vozes infantis cantando. Dentro da sala ouvia-se o pesado som do silêncio que antecede as palavras que não se querem escutar.

– Não compreendo, Maria. És uma boa aluna, responsável. O que se passou? – Perguntou a professora, serenamente.
– Não estudei. Fiquei no computador e quando olhei o relógio já era tarde e estava cansada… – respondeu Maria, cabisbaixa.
– E achaste que resolvias o problema copiando por um colega? Não te parece que o mais correto seria enfrentares as consequências de não teres estudado? Certamente na próxima vez irias preocupar-te em estudar em vez de ficares no computador, não é, Maria? Copiar e enganar nunca são soluções válidas. É preferível uma má nota.
– Não voltará a repetir-se, professora. Desculpe – afirmou a menina, honestamente.
Ao chegar a casa, Maria tentou esconder a tristeza. Forçou um sorriso, aclarou a voz e dirigiu-se à mãe para lhe dar um beijo.
– Olá filha. Como correu a ficha de português? – perguntou a mãe, esperando a habitual resposta que, de facto, surgiu.
– Muito bem, como sempre! De certeza que vou ter boa nota! Vou brincar para o meu quarto! – exclamou  Maria que, ao afastar-se da mãe, deixou que novamente a tristeza viesse pintar o seu rosto. Na realidade, o desalento e a vergonha ocupavam todo o seu corpo: os olhos apagados, a boca contraída, os braços esmorecidos, os ombros arqueados, o coração destroçado.

Trrimmm. Trrimmm. A mãe atendeu o telefone e ouviu a professora da Maria contar-lhe o sucedido naquele dia. Terminada a conversa, a mãe respirou fundo e dirigiu-se ao quarto da filha. Sentou-se junto dela, segurou-lhe a mão e disse-lhe calmamente:
– Filha, já sei o que se passou hoje na escola. Compreendo que te tenhas sentido insegura perante uma ficha para a qual não te tinhas preparado. Erraste porém ao tentares copiar do colega. Mas acima de tudo, não agiste corretamente ao dizeres-me que tinha corrido bem. Mentir não apaga os problemas. Torna-os maiores, como bolas de neve que crescem à medida que rebolam colina abaixo. Maria olhava o chão, envergonhada demais para enfrentar os olhos da mãe que, embora doces, a lembravam da mentira que dissera.
– Se tivesse má nota ficavas triste comigo… – justificou-se Maria, sentindo as lágrimas salgadas tocarem os seus lábios.
– Meu amor, é normal umas vezes haver boas notas e outras vezes não. Nunca ficaria desiludida contigo por isso. Só quero que percebas que quando mentimos enganamos os outros que afinal estão ali para nos ajudarem, como é o caso da tua professora e de mim. E por me teres dito que o teste tinha corrido bem, ele não se transformou num teste cheio de respostas certas, pois não? – explicou a mãe, colocando o braço por cima dos ombros da menina.
– Desculpa, sei que fiz mal – disse Maria, genuinamente, sentindo que mentir pode resolver os problemas naquele instante, mas agiganta-os em todos os outros que se seguem.
– Que bom que reconheceste o teu erro. A professora vai amanhã entregar-me a tua ficha e, juntas, vamos fazê-la, revendo toda a matéria, sim?

Maria abraçou a mãe, sentindo que o sucedido as tinha aproximado ainda mais. E não esqueceria jamais que o antónimo de ‘mentira’ é ‘verdade’. A verdade que nos deixa livres da culpa que pesa e magoa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s